Educação financeira: como conquistar a sua independência

A Independência financeira é uma coisa que tem sido almejada por todos hodiernamente. Foi-se o tempo que as aspirações de ganhos de dinheiro eram contidas, escondidas e, às vezes, vistas negativamente.

E ao contrário do que se possa acreditar, e embora pareça um fenômeno recente, essa ânsia pelo dinheiro não concerne apenas aos mais jovens. Diria-se, aliás, que se estende mesmo aos mais veteranos neste mundo.

Hoje, a independência financeira é associada, indissociavelmente, à ideia de liberdade, a qual implica a ideia de autossuficiência no mundo, a capacidade de bom usufruto do capital e a de bom status no grande quadro social.

A realidade é que a educação financeira é a porta para inúmeros outros privilégios, tais como a liberdade geográfica, a liberdade de tempo, a gestão mais aprimorada das tarefas e a otimização da velocidade dos processos.

Por essa razão e para que esse novo horizonte de possibilidades permita a realização de diversos novos sonhos, desde a compra de um perfume masculino amadeirado importado até uma viagem internacional, este texto abordará esse tema.

Explicando o conceito de educação financeira, juntamente às formas mais úteis de alcançar a independência, será possível direcionar o leigo do assunto à trilha mais segura.

E para que o guia se torne ainda mais completo, também serão dadas sete dicas de educação financeira.

Conteúdo

Em que consiste a Educação Financeira?

A ideia de educação financeira está relacionada à compreensão sobre o estabelecimento de poupança e investimentos.

A partir do momento em que as pessoas entendem como esses itens funcionam, é possível conseguir fazer escolhas mais corretas.

Com isso, é possível administrar melhor o dinheiro, usar os recursos no momento certo e aproveitar as grandes oportunidades do mercado.

Para tal, se faz necessário o desenvolvimento de algumas competências específicas. Existem diversos materiais didáticos e cursos que guiam iniciantes na economia do dinheiro.

Também existem formações em itens mais avançados, como aplicações e outras formas de realizar a conquista do crescimento financeiro.

O grande objetivo, no entanto, é que as pessoas sejam realmente conscientes financeiramente, porque as pessoas que sabem gastar sempre contribuem para uma economia mais saudável.

Para citar um exemplo, um consumidor com noções básicas de pedagogia financeira sabe que só pode adquirir aquilo que pode pagar. Dessa forma, ele não contrai dívidas altas nem corre o risco de ser inadimplente.

Com níveis mais baixos de inadimplência, fica bem mais fácil obter crédito dentro do sistema bancário. Desse modo, esse aporte pode ser utilizado para o pequeno produtor apostar em negócios, gerando mais oportunidades de empregos e renda.

Isso é o mesmo que dizer que, mediante à observação de cada uma dessas etapas, é possível ajudar a roda econômica girar, fazendo com que todos saiam ganhando.

A ENEF aplica o Programa Educação Financeira nas Escolas com o propósito de desenvolver uma ampla cultura de planejamento, poupança e investimento no coração dos jovens, perpassando por todos os níveis de formação escolar.

No entanto, também é possível, ao cidadão, fazer a sua parte direto de casa mesmo. Para começar, é interessante experimentar dar mesada aos próprios filhos, por exemplo.

Desse modo, eles aprendem a fazer o controle dos gastos dentro de um orçamento máximo, dentro dos limites do determinado período. Eles podem não usar o dinheiro para comprar produtos caros como tetos de vidro, mas a experiência inicial terá sido válida.

Outra tática é a aquisição de um cofrinho para as economias. De moeda em moeda, a pequena criança pode acumular riqueza suficiente para comprar um brinquedo, um videogame ou mesmo outro bem material bastante desejado.

A regra de ouro da educação financeira é objetiva. Não se deve gastar mais do que se está arrecadando. Isto significa dizer que o padrão de vida sempre deve ser compatível com sua renda.

Existem diversas táticas para fazer economia. Por exemplo, é possível cozinhar no domingo e armazenar pequenas porções no congelador para que, com esse único gesto, seja possível ter comida para a semana inteira sem precisar gastar gás todo dia.

Outra sugestão é comprar as coisas quase sempre à vista, como será falado mais à frente no texto. As pessoas que se perdem nas parcelas acabam gastando demais.

Desse modo, e ainda dentro dos limites orçamentários, é interessante separar pelo menos dez por cento do salário para a poupança.

É possível fazer de conta que a coisa se trata de uma despesa fixa, tal como o boleto de água ou de luz. Dessa forma, e em pouco tempo, será possível ter em mãos uma bela quantia.

Como conquistar a independência financeira?

De modo simples e objetivo, a independência financeira é o estágio em que a renda passiva mensal da pessoa é superior ao seu custo de vida.

Isso significa que, nesse momento, não será necessário mais do que o salário do indivíduo para manter o padrão de vida, ainda que ele trabalhe com algo simples, como alinhamento e balanceamento.

Este é o poder dos rendimentos por meio dos investimentos em ativos corretos, que possuem o poder de dar uma maior renda passiva como resultado.

Caso ainda não esteja claro, essa renda não é nada mais do que o valor automático mensal que se pode receber em conta sem a necessidade de esforço ativo; isto é, sem precisar dedicar tempo, energia e dinheiro.

Antes de refletir sobre fazer um investimento com o dinheiro e escolher os ativos mais rentáveis, é fundamental pagar todas as dívidas existentes. 

Enquanto as pessoas não quitarem o que devem, será impossível a elas juntar dinheiro e aumentar o seu patrimônio. 

Para isso, é interessante negociar valores e condições de pagamento e evitar fazer novas contas.

Como já foi citado, uma maneira inteligente de ter dinheiro sobrando para a sanção das dívidas é por meio da renda extra. Para isso, é bom selecionar um tempo do final de semana ou do dia de trabalho para se empenhar em uma atividade que será lucrativa. 

Ou talvez seja interessante vender itens que não estejam em uso, como aquele sapato novinho que foi usado apenas uma vez, aquele móvel não útil, antigo e que ainda está em ótimas condições, ou mesmo uma pilha de livros inúteis.

Existem diversos sites e marketplaces em que se pode anunciar todas essas coisas para a construção de uma renda extra e, de pouco em pouco, quitar as dívidas.

Dessa forma, para resumir tudo e listar as melhores formas de conquistar essa independência de forma objetiva e sintética, é possível afirmar que o que é preciso, acima de tudo, é:

  • Estar em dia com as dívidas;
  • Possuir uma reserva de emergência;
  • Estipular valores de faturamento;
  • Definir o máximo de gastos;
  • Investir na carreira e nos objetivos profissionais;
  • Personalizar o currículo ou portfólio;
  • Se diversificar na própria carreira.

Por meio da observância de cada um desses pontos, será possível alcançar os objetivos desejados dentro do prazo, sem maiores dores de cabeça.

7 grandes dicas de educação financeira

É necessário compreender que algo pequeno como um recurso de multa por falta de capacete pode impactar a independência financeira de alguém.

Assim, para aqueles que desejam começar hoje o planejamento do seu futuro, será útil observar essas sete dicas, as quais, se aplicadas devidamente, trarão bons resultados:

  • Se planejar antecipadamente;
  • Dedicar bastante empenho ao planejamento;
  • Ter objetivos bem claros;
  • Evitar ao máximo todas as dívidas desnecessárias;
  • Pagar o máximo de contas à vista;
  • Possuir uma renda extra;
  • Gastar sempre menos do que ganha.

Não há nada melhor do que ter liberdade para a tomada de certas decisões sem maiores preocupações a respeito dos impactos dentro das próprias finanças.

Uma das vantagens da independência financeira é a segurança de uma aposentadoria tranquila. Além do mais, uma pessoa que a possui consegue reduzir o tempo de trabalho e ter, dessa forma, mais disponibilidade para se dedicar à família e às horas de lazer.

Abrir mão do consumo no presente em troca do equilíbrio financeiro do futuro, pode ser visto por muitas pessoas como uma desvantagem. É preciso, entretanto, estar sempre consciente de que, ao colocar tudo na balança, esse é um preço pequeno a se pagar.

Considerações finais

Para atuar de forma expressiva em qualquer carreira ou em qualquer segmento do mundo corporativo, faz-se necessário o planejamento e a execução estratégica.

Dessa forma, com a educação financeira não poderia ser diferente. E por meio do conhecimento dela, das formas mais eficazes de conquista da liberdade e das dicas para aplicar na vida prática, tudo isso fica muito mais fácil.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Gostou do conteúdo? Continue navegando pelo 4You Finanças para mais informações de qualidade.

Compartilhe este conteúdo

Similar Posts