Saiba se O IPVA aumentou em 2022

Reajuste médio é estimado em mais de 20% e está relacionado ao aumento da procura e preço dos veículos

Basta dar uma olhada nos preços dos veículos nos últimos meses para reparar que os valores estão em alta, na maioria dos casos com aumento de mais de 20%. Inflação, menor oferta de veículos novos no mercado e alta procura nos últimos meses são algumas das explicações.

Isso quer dizer que os brasileiros também devem pagar mais caro para regularizar a documentação veicular em 2022. O Imposto Sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) é um dos que vão ficar mais caros, pois ele é calculado com base no valor dos veículos.

Quem já renovou o seguro do veículo para esse ano reparou que o preço também subiu. Com os valores dos combustíveis também nas alturas, a notícia não é nada boa para os motoristas: está mais caro ter um carro no Brasil. Especialistas estimam que a alta do IPVA deve fechar em 22%, bem acima da inflação oficial. 

Nem os usados devem escapar, já que o problema na produção que causou a falta de veículos novos no mercado também impulsionou a venda dos carros de segunda (ou terceira, ou quarta, etc.) mão, o que fez os preços dispararem. Ou seja, os carros usados estão valendo mais e, por isso, o IPVA deles também aumentou.

Quanto vou pagar?

Para saber o valor do IPVA do seu veículo você precisa entrar no site da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, a tabela FIPE, referência na negociação de veículos no Brasil. Lá, você consegue ver qual é o valor de mercado do seu carro no seu estado. Você vai usar esse número como base para os seus cálculos.

Multiplique o valor encontrado na tabela FIPE pela alíquota cobrada em seu estado e dá para ter uma boa noção do quanto você tem que pagar. 

Essa porcentagem varia significativamente entre os estados — São Paulo é um dos mais caros (4%), enquanto no Acre, um dos mais baratos, é de 2%. Lembrando que a alíquota também é diferente para novos e para usados.

Justamente por conta da alta inesperada, a expectativa é de que alguns estados, especialmente os mais caros, ofereçam descontos para quem pagar em cota única ou em menos parcelas. Se você tem esse dinheiro, essa pode ser uma boa opção para economizar.

O que acontece se não pagar?

O IPVA é obrigatório, ou seja, você precisa pagar. Como esse é um custo já previsto, a melhor forma é se planejar para ter o dinheiro e conseguir quitar a dívida aproveitando os descontos da cota única. 

Se isso não for possível, existe a opção de pagar parcelado. É importante lembrar que quem paga em menos parcelas também costuma ter desconto, mas também há quem prefira pagar no máximo de parcelas possível, o que pesa menos no orçamento mensal.

Atrasar o IPVA nunca é uma boa ideia porque o motorista terá que pagar juros por isso. Os chamados juros de mora começam em 0,33% ao dia até o limite de 20%, adicionados da taxa Selic a cada mês de atraso. Ou seja, quem deixa atrasado por muito tempo vai ficar com uma dívida enorme.

Após 90 dias de atraso, se não houver tentativa de negociação por parte do motorista, ele será inscrito na dívida ativa da União e terá um processo aberto em seu nome, que fica sujo, atrapalhando, por exemplo, na hora de pegar a maioria dos empréstimos. A multa também aumenta, acrescida das despesas com o processo.

O veículo não pode ser apreendido só por estar com o IPVA atrasado ao parar numa blitz, por exemplo, mas isso pode acontecer se o licenciamento (CRLV) não estiver em dia. Para regularizar esse documento, no entanto, você vai precisar pagar o IPVA.

Se gostou desse conteúdo compartilhe com pessoas que podem gostar dessas dicas. Continue acompanhando o 4You Finanças para mais dicas sobre gestão financeira.

Compartilhe este conteúdo